Close

A estrada Santa Luzia-Açailândia

Como um humanista, cuja vocação não era a política — e que nela entrou seguindo a máxima de Napoleão de que a política é um destino, e não uma vocação —, exerci o destino com a visão de construir, sem caráter partidário, nem de facção, nem de divisão, nem de considerar os que não pensavam comigo como inimigos.

Todas as ações Sarney e o Maranhão e no Maranhão foram pensando no conjunto do Estado e no objetivo maior da Política com P maiúsculo, como dizia Nabuco, pensando coletivamente e procurando melhorar a sorte do meu Estado e do meu País. Deus deu-me a graça de poder conduzir-me dessa maneira em todos os encargos que Ele colocou em minhas mãos.

Jovens poetas, eu e meus companheiros pensávamos que não devíamos somente fazer versos e avançar nos gêneros literários, mas também colocar nossas inteligências a serviço do povo de nossa terra.

Como disse no início dessa série de artigos sobre as coisas pelas quais fui responsável, encarnei uma função de liderança, que exerci sem nunca passar por cima de ninguém.

O Maranhão, como disse, era um Estado desintegrado, sem nenhum recurso, mergulhado num obscurantismo que era um prolongamento do século XIX. Para integrá-lo territorialmente, precisávamos integrar a faixa da Amazônia que ficava em nosso território e vivia, sob a dependência do Rio Tocantins, sem ligações profundas, nem culturais, nem econômicas, com o resto do Maranhão e sua capital, São Luís.

Candidato a governador, como já disse, um dos nossos propósitos era incorporar essa região e o sertão, para que pudéssemos buscar a nossa unidade territorial.

Assim, no programa que submetemos ao povo, tínhamos que ligar a Belém-Brasília a São Luís. Então, lembro uma noite, no sítio Natal, onde nos reuníamos, em que tentamos traçar uma estrada que atravessasse a Floresta Amazônica e a ligasse à São Luís-Teresina, que também pretendíamos asfaltar.

Calcule o que não era, há 50 anos, vir de Imperatriz a São Luís. Nem Carolina, que era a cidade mais representativa do sertão, era ligada à Belém-Brasília. Para sair de lá e ir à nossa capital, tínhamos que ganhar os caminhos que demandavam o Sul e o Nordeste e entrar no território maranhense pelo Piauí, e então pegar a intransitável São Luís-Teresina, então quase um caminho de carro de boi.

Pegamos o mapa e riscamos um traçado que, saindo de Santa Luzia, rasgasse a floresta e chegasse à Belém-Brasília. Dois lugares, pequenos acampamentos da construção daquela estrada, existiam como pequenos povoados: Frades e Açailândia. Nesta morrera Bernardo Sayão — o construtor da Belém-Brasília —, quando, muito ferido, ali chegou para embarcar num teco-teco. Seria a Santa Luzia-Açailândia.

Hoje ninguém sabe o que significou essa epopeia, abrir o linhão e começar o seu traçado. Lembro-me bem com que emoção eu, em Açailândia, então um lugarejo, dirigindo um trator, derrubei a primeira árvore. Açailândia hoje é uma referência nacional, com a mais moderna aciaria do Brasil, unindo hoje a área do Tocantins, o sertão, ao Maranhão.

Eu já havia construído a estrada de Carolina-Estreito, possibilitando que as estradas do sertão também tivessem acesso a essa nova via, a Santa Luzia-Açailândia.

Hoje ninguém se lembra, nem os que ali transitam, que ela nasceu de um planejamento e de uma visão de um Maranhão Novo, que afinal surgiu.

%d blogueiros gostam disto: